Tamanho da letra
Normal Médio Grande
Facebook Partilhar e divulgar
Enviar por email
Imprimir Página
Início > Esclerose Múltipla > Sintomas

header-EM

Os sintomas provocados pela EM variam muito. Dependem da localização da inflamação e da desmielinização no sistema nervoso central. No entanto alguns sintomas ocorrem com frequência, outros raramente são assinalados.

 

Fadiga

A fadiga é um sintoma muito frequente e bem conhecido da EM. Mas porque pode também ser um sinal de outras doenças, não é imediatamente identificado como sendo causado pela EM. A fadiga manifesta-se muitas vezes sob a forma de períodos que podem durar alguns meses, durante os quais a sua energia se esgota diariamente após um pequeno esforço. A fadiga ocorre quer na EM em forma de surtos, quer nos tipos mais progressivos da doença.

 

Neurite óptica

É uma inflamação do nervo óptico, (nervo da visão). Durante um ou dois dias poderá queixar-se de visão turva, embaciada. Por vezes poderá sentir dor por trás do olho, que aumenta quando o roda.
Há melhorias graduais, por vezes após várias semanas. Mas a recuperação nem sempre é completa. Em períodos de stress, quando estiver cansado ou quando tiver febre, poderá sentir novamente a visão turva, apesar de isto não significar que a EM está novamente activa.

 

Perda da força muscular nos braços e pernas

O sistema nervoso contém um grande número de fibras nervosas que controlam os movimentos – aquilo a que chamamos a função motora.
É assim muito provável que a EM cause lesões que atinjam esse sistema. Muitas pessoas com EM perdem força muscular durante o curso da doença.
A perda pode variar entre destreza reduzida (os dedos deixam de funcionar bem) até à paralisia. A perda de força muscular pode ocorrer não só em ataques temporários nos surtos, mas também como um processo gradual (progressivo) sem recuperação.
A perda gradual de força ocorre mais frequentemente nas pernas do que nos braços. Dependendo da gravidade, poderá necessitar de usar uma bengala, muletas ou uma cadeira de rodas. Mas lembre-se que 80% dos doentes com EM conseguem andar durante dez anos após ter sido diagnosticada a doença e não precisam de cadeira de rodas.

 

Alterações da sensibilidade

Também existe grande número de fibras nervosas que nos facultam o tacto. Tal como os sintomas de perda de força muscular, os sintomas que afectam o tacto podem ser transitórios (nos surtos) ou mais progressivos. Um tipo de sintomas nesta área pode ser uma sensação de encortiçamento nas pernas dando a impressão de que se está a «caminhar sobre algodão». Um outro tipo de sensação anormal é a de pele irritada, formigueiro ou picadas, sintomas que podem ocorrer em várias partes do corpo: por vezes no braço ou na perna, ou em parte deles, outras vezes na metade inferior do corpo a partir de determinado ponto (por exemplo, o umbigo). O doente poderá ainda sentir várias zonas do corpo simultaneamente dormentes.

 

Dor

 A EM pode ser acompanhada de vários tipos de dor. Os sintomas que afectam o tacto podem ser de dor ou desagradáveis. Além disso, a EM afecta muitas vezes um dos nervos da face causando dores faciais, um estado conhecido como «nevralgia do trigémeo». Se tiver dificuldade em caminhar por causa da EM, isto poderá causar-lhe dores pela sobrecarga dos músculos das costas e das pernas.
A perda de força muscular nas pernas e nos braços também pode ser acompanhada por uma contractura em diversos músculos: isto é conhecido como «espasticidade» e pode provocar dores.

 

Alterações urinárias e intestinais

Ocasionalmente as pessoas com EM podem ter dificuldade em urinar ou em esvaziar completamente a bexiga (a isto chama-se «retenção» urinária). Mas o que sucede com maior frequência é que a expulsão da urina ocorre imediatamente mal se sentem os primeiros sinais de a bexiga estar cheia. Chama-se a isto «urgências urinárias» ou «bexiga espástica».
Também é possível que apresente uma combinação destas condições e à existência de uma delas ou das duas chama-se bexiga neurogénea. Existem menos problemas com o controlo dos intestinos.
Mas porque alguns doentes com EM têm menor mobilidade, podem ocorrer problemas de obstipação. A incontinência dos intestinos, ou dificuldade em reter as fezes é menos comum.

 

Problemas sexuais

Também pode ter problemas na área sexual, especialmente se sentir dificuldade em controlar a bexiga ou os intestinos ou tiver alterações de sensibilidade.
Homens que tenham EM podem ter dificuldade em obter ou manter a erecção. Na mulher, a EM causa muitas vezes perda de sensibilidade nos órgãos sexuais, dores durante a relação, incapacidade de atingir um orgasmo ou redução na quantidade de muco produzido durante o coito. Estas queixas podem criar tensão no relacionamento com o seu parceiro/a. Falar do assunto abertamente, em geral dissipa os problemas, diminuindo a tensão que possa sentir durante o acto sexual, sentindo que é aceite pelo seu parceiro/a tal como é.

 

Equilíbrio/coordenação
A parte do cérebro, conhecida como cerebelo, controla todos os movimentos que fazemos e, se necessário, corrige-os. Distúrbios neste órgão podem levar a dificuldade em manter o equilíbrio ou a coordenação. Pode, por exemplo, ter dificuldade em agarrar pequenos objectos, surgindo ao fazê-lo um tremor da mão. Poderá começar a caminhar como se estivesse embriagado ou sentir dificuldade em agarrar de forma correcta numa caneta e escrever de forma clara. Estes problemas também poderão ser transitórios (durante um surto) ou ser mais permanentes numa forma gradualmente progressiva de EM.

 

Alterações cognitivas

Podem surgir problemas com a memória recente, em especial em pacientes que sofrem de EM há bastante tempo. Também poderá sentir dificuldade em concentrar-se, o que poderá complicar a realização de várias tarefas em simultâneo. Poderá, igualmente sentir-se incapaz de resolver mentalmente problemas aritméticos como fazia antes.

 

Alteração de humor e depressão

Antigamente pensava-se que a EM era acompanhada de uma jovialidade patológica (conhecida como «euforia»), Mas, na verdade, a depressão é mais comum às vezes directamente relacionada com a EM, mas mais frequentemente como uma reacção contra o facto de ter de aprender a lidar com a doença.

Os sentimentos de depressão podem também estar ocultos por uma aparente jovialidade.

 

Os efeitos que todos estes sintomas têm na qualidade de vida variam muito. Dependem bastante da forma como vive estes sintomas e como consegue lidar com eles. Com o tempo, acabará por aprender a lidar com eles e a compensá-los, realizando coisas de que ainda é capaz e descobrindo novas capacidades.

Não irá acontecer de um dia para o outro: é um processo que requer esforço e tempo, não só da sua parte, mas de todos os que o rodeiam (companheiro/a, filhos ou outros membros da família). Contacte as associações de doentes, os grupos de apoio nos hospitais ou grupos informais para partilhar as dificuldades e conquistas. Isso ajudá-lo-á a valorizar as capacidades, relativizar alguns problemas e aumentar a qualidade de vida.

Designed by Exadorma
Alojamento gentilmente cedido por PHNEUTRO